• Elofy

Você precisa pensar em CULTURA

Atualizado: Abr 28


A melhor forma para iniciar este texto é convidar você, leitor, a refletir através da apresentação de algumas perguntas.


O quão satisfeito você está com o seu local de trabalho? Ele é um lugar de inspiração para você? Você se identifica com a cultura da empresa? Se sente valorizado? Consegue se enxergar como parte do todo ou entender a sua importância e de suas atividades para o contexto global? Você recebe feedback e tem um plano de desenvolvimento de carreira e avaliação de desempenho claro e estruturado?


Ufa... quantas perguntas certo?


Recentemente estes eram questionamentos que muitas vezes não estavam presentes ou não nos chamavam a atenção. Durante muito tempo as empresas organizaram suas estruturas de forma funcional, orientadas a produtos em um cenário que permitisse escalar a produção e produzir com eficiência.


As pessoas eram peças em uma engrenagem metódica, extremamente ortodoxa e nada maleável. Então, por que pensar em "coisas" como satisfação, cultura, transparência ou mesmo felicidade pessoal?

O mundo mudou. Passamos e ainda estamos passando por uma grande transformação digital que está afetando a forma como produtos e serviços são produzidos, ofertados e adquiridos. Barreiras geográficas caíram por terra graças a internet e a nuvem.


Tudo está acessível a partir de qualquer dispositivo conectado a internet. O fato de uma empresa possuir uma grande história e estrutura não impedem, que da noite para o dia, uma ideia inovadora arrase com o seu mercado transformando sua estrutura em um mero passivo inativo.


De repente, não basta "eficiência escalável", mas sim, "aprendizado escalável".


Atualmente, as empresas precisam estar preparadas para abordar clientes exigentes com um alcance infinito a uma oferta de produtos e serviços e que para isso elas precisarão, necessariamente, de estruturas prontas para inovar, prototipar, aprender e mudar o foco para o cliente.


Este processo envolve entender que estruturas funcionais não são mais eficientes. Que deve haver um processo de transformação na forma de gestão do negócio com times menores, mais eficientes, empoderados e, acima de tudo, os líderes devem desenvolver, reter e enxergar seus talentos como peça-chave para transformação ao invés de assisti-los como uma orquestra de executores de tarefas com pouca ou nenhuma motivação.


E tudo isso vai envolver uma significativa mudança na sua cultura.


Graças a sites como glassdoor, lovemondays, linkedin e outros tantos sua cultura está exposta. Ou seja, a forma como você organiza sua empresa, remunera sua equipe e até políticas de gestão estão públicas e agora compõem sua marca. A pessoa escolhe onde quer trabalhar.


Quanto mais forte for sua cultura de times mais engajamento você gera. Um por todos e todos por um, essa é a chave do sucesso. Empresas ranqueadas como "great places to work" e semelhantes em sua totalidade possuem uma cultura forte, bem definida e amada pela sua equipe


Há ainda a inovação. Quanto mais transparentes, horizontais e com cultura definida mais inovação é gerada. Não se pode forçar inovação ela surge e só acontece em ambientes onde as pessoas se sentem felizes, respeitadas, incluídas e autênticas.


É tudo sobre pessoas. Então, pare e pense. Este é o momento de fortalecer sua cultura, valorizar sua equipe, estruturar um plano de desenvolvimento de carreira, implantar cultura de feedback, estruturar ciclos de avaliação de desempenho e promover a transparência compartilhando o planejamento.


E tudo isso é Gestão de Performance Contínua. É Elofy. E somos nós, querendo conhecer você!


Por Daniel Kafruni

CEO, ELOFY


45 visualizações